uma rosa protege sua beleza exposta com espinhos... talvez por isso eu nunca consiga ser a flor que pretendes... porque não faz parte de mim o oferecer-te algo volátil, efémero...

talvez seja, na verdade, um cacto, porque os espinhos que deixei que me rodeassem, me protegem... e a verdade, simplesmente, espera por ti no meu interior, longe dos olhares do mundo... afinal, a realidade e o mundo pouco me dizem... e para com eles não sinto qualquer responsabilidade ou obrigação...

há muito que assumi que estou aqui de passagem, por um capricho do futuro!